Estética dos Anos 60

Pop Art, Op Art, Minimalismo, Arte Conceitual, Mod, Mao, Hippies, Era Espacial, British Invasion, Provos, Psicodelia, Contracultura, plástico, aeronáutica, aerodinâmica, tomam o lugar da influência das turbinas de jatos e do estilo rock’n’roll e teddy boys dos anos 50. Pós Modernismo.

DESIGN/Móveis

O plástico passa a ter influência fundamental na concepção e no design na década de 60. Suas várias fórmulas tornam possível a utilização em larga escala no processo industrial. A imagem acima é a Ball Chair, 1963, do finlandês Eero Aarnio.

Pastilli Chair, 1967, Eero Aarnio (FIN) – Fiberglass e poliéster reforçado (influência espacial), Prêmio American Industrial Award 1968

Egg Chair, 1968, de Peter Ghyczy, alemão de origem húngara

Garden Egg Chair, Peter Ghyczy (ALE)

Rino Levi (ITA), ambiente típico dos anos 60

Le Balmoral Milk Bar, Bélgica

Panton Chair, 1960/1963, do arquiteto e designer Vernon Panton (DIN), a primeira cadeira de plástico injetado. É comercializada até hoje – Produzida pela Vitra a partir de 1967

Panton Chair em ambiente formal

A influência hippie inspirou os designers italianos, Piero Gatti,  Cesare Paolini e Franco Teodoro a criar para a Zannota, a primeira cadeira-pufe (a partir das almofadas hippies), Sacco, um saco cheio de poliestireno que se moldava ao corpo.

Blow Chair, 1967, Poltrona Inflável, dos italianos Paollo Lomazzi, Jonathan de Pas e Donato d’Urbino. Essa cadeira lançou o conceito Pop Design

Banco Tam Tam, 1968, de Henry Massonet (FRA), inspirado nas colunas gregas. Em polipropileno.

Cadeira Eureka, de Giovanni Travasa (ITA), largamente difundida nos anos 60

Palla Lounge Chair, 1966, Giovanni Travasa (ITA). Parece uma versão orgânica da Ball Chair

Modesty Blaise Chair, bq of sweden

Cadeira Modesty Blaise (personagem original do escritor Peter O’Donnell e do artista Jim Holdaway, 1963), autoria não descoberta, encontrada em bq of sweden, personagem do filme homônimo estrelado por Monica Vitti e direção de Joseph Losey, 1966

MODA

A moda nos anos 60 foi muito influenciada pelas criações de Mary Quant, Barbara Hulanicki, Paco Rabanne, Pierre Cardin e André Courrèges. A criação da estamparia rotativa imprimiu velocidade e qualidade à produção de tecidos. Vários assuntos foram fundamentais na criação dos tecidos, com os designers inspirando-se em artistas como Mondrian, no psicodelismo, Op Art, motivos hippies.


John Lennon e George Harrison, 1962, no atelier de Stu, após sua morte, já com o corte de cabelo  feito por Astrid e (depois) Klaus Voorman

Até 1961, o penteado que influenciou os jovens, era o corte Teddy Boy, à la Elvis. A partir de 1962, o penteado que influenciou os Mods, Mary Quant, e cuja estética iria influenciar a moda e várias gerações, foi o corte feito pela fotógrafa Astrid Kirchher em seu namorado Stu Sutcliffe, o 5º beatle –  deixou a banda para se dedicar às artes plásticas e faleceu pouco depois – nos tempos das apresentações em Hamburgo, no início da banda. Esse penteado ficou conhecido como estilo beatles ou mop top e criou indignação na Grã-Bretanha quando os Beatles surgiram na cena, e logo se alastrou por toda a Europa e pelo mundo.

Astrid e Stu, 1962

Mary Quant é considerada a inventora da mini-saia, mas ela mesma admite dividir esse mérito com André Courrèges. Sua loja na King’s Road é uma das principais referências da Swinging London, assim como Barbara Hulanicki, com sua Biba Boutique, que divulgou e popularizou a moda que brotava nas ruas de Londres, com valores acessíveis às garotas londrinas.

Dois ícones da Swinging London: o Mini e a mini

twiggy

Twiggy, outro ícone da moda dos anos 60

Paco Rabanne utilizava da geometria para criar micro vestidos de plaquinhas de plástico ou metal e dessa forma re-criava o conceito de vestir.

Jane Fonda vestindo Paco Rabanne em Barbarella (original do escritor e ilustrador Jean-Claude Forest), de Roger Vadin, 1968

Françoise Hardy com um micro Rabanne de plaquinhas

Yves Saint Laurent inspirou-se em Mondrian para construir seus modelos, 1965

Pierre Cardin foi bastante inovativo com modelos unisex e estilo espacial. Criou os terninhos iniciais dos Beatles.

60, Buble Series, Melvin Sokolsky para Harper's Bazaar, 1963

Bubble Series, Melvin Sokolsky para Harper’s Bazaar, 1963 (inspirado em “O Jardim das Delícias”, de Hyeronimus Bosch)

Space Age, 1964, um desfile futurista de André Courrèges

Veruschka, veste Emilio Pucci, 1965

Veruschka, Emilio Pucci, 1965

Estampa inspirada em motivos psicodélicos

Design, Hubert de Givenchy, Audrey Hepburn, Bonequinha de Luxo, Blake Edward, 1961

Pretinho básico, de onde vem ? Com raízes mais antigas, consolidou-se a partir desse look de Hubert de Gyvenchy, para Audrey Hepburn em Bonequinha de Luxo, filme de Blake Edwards, 1961

moda, shaeacopian-10 imagem psicodélica

Com clima todo inspirado na psicodelia dos anos 60, trata-se de uma obra fotográfica de Shae Acopian Detar, de 34 anos.

ARTE

POP ART

Arte, Richard Hamilton, Just what is it that makes today's homes so different, so appealing, 1956

Richard Hamilton, Just what is it that makes today’s homes so different, so appealing ?, Colagem, 1956

 

60, Waddington Custot Galleries, London, Gerald Laing, 1965

Waddington Custot Galleries, London, Gerald Laing, 1965

 

Map.

Jasper Johns, Mapa Pop dos EUA, 1961

Pop Art, Andy Warhol, 1962, Campbells_Soup_Cans_MOMA

Andy Warhol, Campbell’s Soup, 1962

Pop Art, Roy Lichtenstein, Crying Girl, 1964

Roy Lichtenstein, The Crying Girl, 1964

Pop Art, Robert Indiana, Love, 1964

Robert Indiana, Love, 1964

Pop Art, Marcelo Nitsche, Mão, 1967

No Brasil, vários artistas foram influenciados pela Pop Art, como Wesley Duke Lee, Nelson Leirner, Carlos Fajardo, Paulo Baravelli, Aguilar, entre muitos outros, mas com assuntos que refletiam as condições políticas no Brasil.

Acima, Marcelo Nitsche, Mão, 1967

60, Arte, O Porco, Nelson Leirner, 1966

Nelson Leirner, Porco Empalhado, 1966

 

Pop Art, Rubens_Guerchman_1968_Policiais_Identificados_na_Chacina

Rubens Guerchmann, Policiais Identificados na Chacina (Registro Policial), 1968

ARTE MINIMALISTA E CONCEITUAL

Arte minimalista e conceitual, Yves Klein, Blue Monochrome, 1961

Yves Klein, Blue Monochrome, 1961

Arte minimalista e conceitual, Sol LeWitt, Wall Drawing, 1968

Sol LeWitt, Wall Drawing, 1968

Arte minimalista e conceitual, Donald Judd, Sem Título, 1968

Donald Judd, Sem Título, 1968

OP ART

Op Art, Riley, movements in squares

Riley, Movements in Squares, anos 60

ARTE PSICODÉLICA

Psichedelic art, Keiichi Tanaami, anos 60

Keiichi Tanaami, anos 60

CAPAS DE DISCO

sgt_peppers_288a

The Beatles, Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band, junho 1967

Concepção gráfica e design de Peter Blake e Jann Haworth – fotos de Michael Moore

Rolling Stones, their satanic

The Rolling Stones, Their Satanic Majesties Request, novembro 1967

Produção da capa e fotos: Michael Cooper

A imagem foi inicialmente fotografada em 3D. Observada com atenção, ao se fazer movimento, surgem os quatro rostos dos Beatles, uma espécie de resposta pela faixa “Welcome The Rolling Stones”, na capa do Sgt Pepper.

Obra de Andy Warhol

The Velvet Underground, Velvet Underground & Nico, março 1967

Produção e design de Andy Warhol

Album cover, The Incredible String Band, 1967

The Incredible String Band, The 5000 Spirits or the Layers, 1967

Arte gráfica: The Fool

Caetano 1967

Caetano Veloso, Caetano Veloso, 1968

Lay out da capa: Rogério Duarte – Fotografia: David Drew Zingg

Yellow Submarine, by Heinz Edelman

The Beatles, Yellow Submarine, 1968

Desenho de Heinz Edelman

Cheap%2520Thrills

Big Brother & The Holding Company, Cheap Thrills, 1968

Capa de Robert Crumb

thewhitealbum

The Beatles, The Beatles, 1968

Design Gráfico : Richard Hamilton

blind_faith

Blind Faith, Blind Faith, 1969

Produção gráfica e fotografia de Bob Seidemann – Spaceship design: Mick Milligan

King Crimson

King Crimson, In The Court of Crimson King, 1969

Capa: Pintura de Barry Godber

POSTERS/Arte Gráfica

Fillmore Concerts, Wes Wilson, anos 60

Wes Wilson, Fillmore Concerts, 2ª metade dos anos 60

60, Post de Bob Dylan by Milton Glaser, 1966

Poster de Bob Dylan Sign of the Times by Milton Glaser, 1966

 

Poster de Wes Wilson para shows de Grateful Dead, Junior Wells, Chicago Blues Band e Doors, 1967

Wes Wilson, Poster dos shows de Grateful Dead, Junior Wells, Chicago Blues Band e Doors, 1967

Poster de Victor Moscoso para o show de The Steve Miller Band, 1967

Victor Moscoso, Poster para show do Steve Miller Band, 1967

AUTOMÓVEIS

Um dos principais acontecimentos em termos de design de carrocerias em todo o mundo foi a criação da Italdesign, de Giorgetto Giugiaro, em Torino, ITA, 1968.

Design, Italdesign Giugiaro, Bizarrini Manta 1968

Bizarrini Manta – Esse protótipo foi desenvolvido em apenas 40 dias e foi a estrela do Salone dell’Automobile de Torino de 1968. E revolucionou o conceito dos dream cars esportivos. A partir daí, o studio desenvolveu modelos e conceitos para várias montadoras. Criou o grande sucesso da Fiat (Uno), o grande sucesso da Vokswagen (Golf), modelos e conceitos para a Ferrari, Maseratti, BMW, Chevrolet Corvette, Suzuki, Alfa Romeo, Audi, Mitsubishi, entre outros. A partir dos automóveis a Italdesign passou a desenvolver uma gama imensa de projetos, desde trens e móveis a câmeras fotográficas (Nikon), mosaicos e formatos de macarrão.

veja mais aqui 

Carros 12 Citroen DS 1960

Citroën DS, 1960, uma revolução que teve início no final dos anos 50 e tornou-se sucesso de design nos anos 60

Carros 2 Jaguar E-Type 1961

Jaguar E – Type, 1961

Recentemente foi escolhido em votação como o “Mais belo carro de todos os tempos”. Mas o Comendador Enzo Ferrari já havia dito isso anos atrás.

Carros 3 Willys Interlagos 1961-1966

Willys Interlagos, 1961

Carros 5 Karmann Ghia 1962

Volkswagen Karmann Ghia, 1962

Carros 13 1963_MkI_Mini

Mini Cooper, 1963

Esse carrinho, com design de Sir Alec Issigonis, foi considerado recentemente o mais impactante em toda produção automobilística da Inglaterra

miniharrison_2

Atrás, um dos Mini que foi presenteado aos integrantes dos Beatles por seu empresário Brian Epstein, pelo sucesso alcançado

À frente, o Mini novo, já controlado pela BMW, produzido (série limitada) em homenagem a George Harrison por ocasião de sua morte

Carros 11 Ford Mustang 1964

Ford Mustang, 1964

Um verdadeiro clássico. Influenciou toda a indústria norte-americana à época

Carros 7 1963_1965_PORSCHE_356_C_ALEMANHA

Porsche Speedster, 1965

Sempre foi e sempre será um clássico

Carros 8 1964_1966_FERRARI_275_GTB_ITALIA

Ferrari 275 GTB, 1964

Outro super clássico.

Carros Chevrolet-Camaro-01 1968 SSChevrolet Camaro, 1968

Conta a história que o Mustang foi baseado no Chevrolet Corvair Monza. O Camaro foi a resposta da Chevrolet inspirada no Mustang, e tornou-se o novo clássico dos pony car.

Leia mais aqui (clique em articles)

AVIAÇÃO

Concorde 2

O Concorde foi o 1º avião supersônico de passageiros, voava em velocidade Mach 2.04. Sua concepção tem a união entre design e tecnologia. Produzidos pelo consórcio franco-britânico Aéroespatiale e BAC (British Aircraft Corporation) a partir de acordo firmado em 1962, teve seu 1º vôo de teste em 2 de março de 1969 e operou comercialmente pela Air France e British Airways de janeiro de 1976 a outubro de 2003.

Boeung 747 1969

Boeing 747, Jumbo – O maior avião comercial de passageiros de longo alcance dos anos 60. Teve seu 1º vôo em 1969 e passou a operar a partir de 1970. Está em operação até hoje em suas diversas configurações.

Uniformes das Comissárias de Bordo nos anos 60

Uniforme Braniff 1967

Braniff (USA), 1967 – Emílio Pucci (1914-1992), desenhou esses modelos que nos remetem à Swinging London

Uniforme 2009-flight-attendant-air-hostess-552nm-Singapore

Singapore Airlines – Em 1968 Pierre Balmain desenhou o sarongue que sobrevive até os dias de hoje com poucas alterações, como atesta a foto acima.

Uniforme 1960-flight-attendant-lineup-552nm-111709

1969 – Comissárias de bordo com modelitos mais standards posam ao lado de um Concorde. Parece não combinar o arrojo da aeronave com os modelos apresentados

fonte: Cultura Aeronáutica

ARQUITETURA

Arquitetura, Archgram

Archigram

Foi um grupo de arquitetos baseado em Londres, formado no começo dos anos 60. Tinha o propósito de criar uma nova realidade através de projetos utópicos e hipotéticos, reflexo da dinâmica de mudanças em curso otimista do pós-guerra, nas artes plásticas, tecnologia, música. Seus principais expoentes foram Peter Cook, Ron Herron, David Greene, Michael Webb, Dennis Crompton e Warren Chalk.

Plug-in City, 1964

Arquitetura, Plug-In City, Peter Cook

Inicialmente concebido por Peter Cook, é como uma espécie de Lego, toda feita de espaços intercambiáveis de acordo com a necessidade,  acolhiam serviços e habitações e conectados através de passarelas, estruturas tubulares, trens, guindastes, etc.

The Walking City, 1964

Arquitetura, a Walking City

Conceito de Ron Herron

Leia mais sobre esse assunto

Arquitetura, geodésica Buck, pavilhão americano na Feira mundial, Canadá

Geodésica do arquiteto norte-americano Buckminster Fuller na Expo 1967 em Montreal, Canadá. Buck revolucionou, criou o princípio de megas estruturas leves, um dos inspiradores do Archigram e Plug-in City

Arquitetura, drop city

Drop City, 1965, inspirada nas geodésicas de Buckminster Fuller, iniciada por estudantes de arte e cinema da Universidade do Colorado, tornou-se a 1ª comunidade rural hippie e underground nos EUA. Pessoas de todo o mundo chegavam para ajudar e participar das construções. À partir de 1970, foi sendo desativada.

Arquit. 1 casa-arquitetura-minimalista-marciokogan

Marcio Kogan, uma arquitetura minimalista

Edificio Copan 2

Oscar Niemeyer, Edifício Copan, um marco urbano paulistano, foi concebido em 1954, por ocasião do 4º centenário da Cidade de São Paulo, foi iniciado em 1957 e inaugurado em 1966

Arquitetura, ed. Itália 2

Adolf Franz Heep é o autor do projeto do Edifício Itália, inaugurado em 1965 e continua sendo muito visitado por causa de seu terraço que proporciona uma visão de 360º da Cidade de São Paulo

Masp

Lina Bo Bardi, arquiteta italiana radicada em São Paulo, criou o projeto do MASP em 1958. O MASP, essa joia incrustada no coração da cidade foi inaugurado em 8 de novembro de 1968 com a presença da Rainha Elizabeth II e do Príncipe Phillip da Inglaterra. Muito arrojado, com um vão livre de 74 metros, a obra tornou-se viável através do engenheiro José Carlos de Figueiredo Ferraz.

Uma resposta to “Estética dos Anos 60”

  1. Republicou isso em 60.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: